Rumo a Uyuni – Quarto dia – Sobre as águas

“Não existe um caminho para a felicidade.

A felicidade é o caminho.”

Thich Nhat Hanh

Parte 4

De Cochabamba à Uyuni

Amanheciamos o último dia da nossa jornada de ida. Só esses quatro dias já valem uma Ônibus de Cochabamba para Oruroaventura. O sol ainda não havia saído detrás das montanhas e já caminhávamos para a rodoviária com um pouco de antecedência para tomar o café da manhã conhecer um colombiano que junto com seu cachorrinho de estimação viajava a América Latina e tomar mais um chá de coca para evitar o soroche. -A essa altura “altitude se encaixaria melhor”, já não tomávamos café e sim o chá de coca.

4453 metros de altitude no caminhoPartindo de Cochabamba, passamos quatro horas no Trans Azul atravessando, subindo e descendo serras, na maioria das vezes acima dos 4000 metros de altitude. Naquele ponto, o Alexandre já se incomodava com o soroche, também conhecido por mal da altitude. Quanto mais subiamos, menos árvores. A paisagem foi perdendo rapidamente o verde para predominar o ocre. Ao chegar na pequena rodoviária de Oruro, mas não menos organizada, apanhamos um táxi (perua Toyota descartada no Japão e volante transplantado da direita para esquerda, muito comum na Bolívia) rumo a estação de trem para comprar os bilhetes e almoçar naquela cidade geométrica e monótona feita de tijolos cozidos como nas favelas brasileiras. Fomos recebidos por um sorridente e solícito atendente na estação que que nos vendeu os bilhetes e recebeu a bagagem em uma sala grande com móveis de madeira maciça e paredes revestidas pela mesma madeira. Me senti nos anos 50.

O almoço foi quase em frente à estação no melhor restaurante da cidade. Me senti rico. Na Bolívia o poder de compra de nossa moeda é muito maior. Pedi cordeiro e, novamente, os pratos foram muito bem servidos a ponto de eu não conseguir comer tudo. Já estava começando a achar que ou o meu estômago era pequeno ou o estômago dos bolivianos era grande.

Todos a bordo, pois o trem já vai partir

Expresso del Sur14 horas e todos a bordo do trem Expresso del Sur da Ferroviária Andina para Uyuni. Finalmente o último trecho que já no início nos brindou com o lago Uru Uru por onde o trem contou caminho sobre as águas em meio a bandos de flamingos andinos e chilenos. Houve um pouco de alvoroço naquele vagão cheio de alemães em virtude da bela paisagem que víamos e éramos parte. Logo, o lago foi substituído pelo altiplano com campos áridos, pastagens e plantações, os flamingos pelo gado e nossa euforia pelo sono do cansaço naquele fim de tarde.

O trem era mais conservado do que o pegamos em Puerto Quijarro. As janelas e persianas abriam, haviam tomadas no vagão de passageiros, Flamingos Andinos no lago Uhu Uhuos bilheteiros eram bem uniformizados, o vagão restaurante era melhor e possuia uma tomada por mesa para recarregar os celulares e o trem balançava menos.

Finalmente! Já era noite quando chegamos à estação de Uyuni e só nos restou buscar um lugar para dormir, novamente através do App de mapas off-line que também mostrava a nota atribuída por outros usuários ao estabelecimento.

Agora, era descansar para o tão esperado início da aventura. -Como se chegar até aqui já não fosse. 

Parte 3Parte 5

Rumo a Uyuni -Terceiro dia – Subindo a serra.

Parte 3

Parada para o café com Wi-Fi

Enquanto o sol despontava numa manhã de segunda-feira e o trem rompia o maior perímetro urbano que vimos durante toda a viagem. Era Santa Cruz de la Sierra. Hora de deixar o sono para trás e preparar a mochila para a próxima etapa.

Novos amigos no caminho
Novos amigos no caminho

O trem parou na estação Bimodal (Ônibus e trem) e de nosso vagão, como era de se esperar, as poucas pessoas que haviam, desceram. Mas o que impressionou foi a grande quantidade de pessoas que desceu dos últimos vagões. Havia outra classe? Onde elas embarcaram? 

Ainda antes de descer do trem, começamos a conversar com um casal de brasileiros que estava indo para Macchu Picchu no Peru e que passariam aquela noite em Santa Cruz, nós, seguiriamos direto. Antes de prosseguir viagem, saimos do terminal e fomos a um hotel para tomar nosso café da manhã e aproveitar a Wi-Fi de lá junto com nossos novos amigos.

Como pegar um ônibus.

Continuamos a viagem em um ônibus (cama) da empresa Bolivar até Cochabamba em uma viagem que durou dez longas horas passando em uma longa planície antes de subir a montanha. Em sua única parada, descemos em um complexo de estabelecimentos comerciais voltados à alimentação e conforto dos viajantes a borda da carreteira 4 (estrada). Tá bom! Eu estou exagerando. Em frente àquele pátio de estacionamento de terra, poeira e lama, haviam botecos, ambulantes e dois ambientes maiores que vendiam almoço. E também havia o principal, por apenas um boliviano, o banheiro. Conforme fomos subindo, a estrada ficava pior, o ônibus começou a andar mais lentamente, o clima mudou de calor para um clima agradável de montanha, as estrada ficaram sinuosas e beiradas por penhascos e os motoristas faziam ultrapassagens perigosas constantemente.

Algo que chamou muita atenção era a constante entrada de ambulantes que vendiam desde balas e almoços até sorvetes e remédios. O mais interessante foi um vendedor na chegada de Cochabamba que fez uma propaganda melhor que o Polishop para vender um extrato de não sei o que curava tudo.

Rodoviária de Cochabamba
Rodoviária de Cochabamba

Na rodoviária de Cochabamba, vimos o caos de gente gritando os destinos, eram os vendedores das lojas angariando clientes para as empresas. Restava-nos decidir a empresa que nos levaria. Em meio àquele caos de empresas que tiravam bilhetes manuais ou preenchidos na máquina de escrever, encontramos uma empresa que tinha uma fila e o atendimento era informatizado. Decidimos que era essa a que provavelmente não entariamos em roubada e foi ali, na Trans Azul, que compramos a nossa passagem para o dia seguinte com destino a Oruro.

Em busca do sono perdido.

Agora, estavamos a procura de um hotel ou hostel para descansar e encontramos um perto da rodoviária através de um App de mapas off-line. Haviam muitos outros na região, mas optamos por nos hospedar apenas naquilo que já havia referência no Trip Advisor.

Depois de um bom banho, era hora de conhecer a cidade e comer algo. Acabamos comento um Pique a lo Macho, que é um prato tipicamente boliviano composto de pedaços de carne, frango, linguiça, queijo, pimentão, cebola, tomate e batata frita misturado. A porção que nos disseram ser para uma pessoa, era mais que suficiente para quatro. Nós, que estavamos com fome, mal conseguimos comer a metade e acabamos levando a outra para uma moradora de rua.

Cochabamba nos impressionou positivamente naquele primeiro contato pois diferia muito daquilo que vimos no caminho. Uma cidade grande, aparentemente bem organizada, com prédios, teatros, cinema, restaurantes e  uma linda praça rodeada de prédios em estilo colonial espanhol, entre eles, a prefeitura e a Catedral Metropolitana, chamada 14 de Septiembre (data da independência de Cochabamba ao julgo espanhol). Como ainda precisávamos descansar, conhecer Cochabamba ficará para uma próxima vez.

Parte 2, Parte 4